logo site sem fundo2.png

INSCRIÇÕES EM BREVE

EMENTAS 

SESSÃO COORDENADA I MEMÓRIA, HISTÓRIA, SILÊNCIO, RESISTÊNCIA

COORD.: Ana Boff de Godoy e Sóstenes Ericson

A AD pecheuxtiana entende o discurso a partir do batimento da língua/linguagem com a história/historicidade. Essa articulação, no entanto, não se completa sem o trabalho da memória, uma vez que, conforme nos lembra Paul Veyne, “a história é filha da memória”. Mas, como bem nos apontam os estudos pecheuxtianos, a memória pode ser fraturada, fissurada, enterrada, apagada, suplantada, substituída, consignada ou silenciada. Talvez possamos dizer que nossa(s) história(s) seja(m) constituída(s) mais por silêncios do que por palavras. E é dessa negação do dito (que é, ao fim e ao cabo, a negação do próprio sujeito), que surge um misterioso fenômeno: o da resistência. Conceito difuso, de sentidos deslizantes, que nos impõem respostas/reações igualmente múltiplas. Essa sessão aceitará trabalhos que versem sobre a história/memória na constituição dos discursos/sujeitos, sob a lupa do silêncio/silenciamentos, bem como da resistência (em suas inúmeras formas) dele(s) decorrente.

SESSÃO COORDENADA II DISCURSO, LUTA DE CLASSES, GÊNERO, RAÇA

COORD.: Glória França e Rogério Modesto

A questão da luta de classes sempre esteve no cerne da epistemologia discursiva materialista enquanto motor teórico para outras formulações fundamentais. A partir dela, foi possível avançar nas reflexões em torno da dimensão de gênero e sexualidade no campo discursivo, observando muito especialmente os processos de identificação e suas relações com as diferentes práticas sociais e de militância, ponto de retorno à questão da luta de classes. Resta-nos, porém, trilhar um caminho de maior consistência no que tange ao debate racial, pensado discursivamente, logo, não como temática acessória, mas imbricado às dimensões de gênero e classe, partícipe do processo de constituição do sujeito. Assim, nesta sessão coordenada, serão acolhidos trabalhos que interseccionem as categorias de classe, gênero e raça de modo discursivo. Acolheremos debates em torno dos processos históricos de invisibilização, silenciamento e resistência em relação à colonialidade (o capitalismo, o patriarcado e o racismo) e ao discurso colonizador.

SESSÃO COORDENADA III DISCURSO, SUJEITO, IDEOLOGIA

COORD.: Juciele Pereira Dias e Nadia de Azevedo

Esta sessão coordenada receberá resultados de pesquisas, já finalizadas ou em andamento, que busquem compreender o discurso na sua relação com o sujeito e a(s) ideologia(s), sendo esses tomados aqui como conceitos basilares da Análise de Discurso pecheutiana (AD). O objetivo é construir um espaço de reflexão sobre discurso, sujeito e ideologia, com vistas a contemplar análises dos diferentes modos de constituição do sujeito e dos sentidos, bem como de suas tomadas de posição ideológica, as quais, por sua vez, podem produzir o evidenciamento do dissenso, da tensão, da contradição ou, ainda, da fabricação do consenso, dos efeitos de transparência dos sentidos, da univocidade nos processos discursivos. Nesta sessão serão priorizadas propostas que, ao dialogar com temáticas que se inscrevam no batimento entre a memória e a atualidade, conforme propõe esta décima edição do SEAD, tematizem as referidas noções.

SESSÃO COORDENADA IV DISCURSO, ARTE, CORPO

COORD.: Luciana Vinhas e Luciene Jung de Campos

Arte e corpo são espaços de observação do sujeito e do social, abertos à interpretação no interjogo entre memória e atualidade. Pela perspectiva discursiva, arte e corpo se enlaçam na produção de formas de resistência que se antagonizam às estéticas hegemônicas normatizadoras. A resistência se coloca, portanto, como uma posição possível para a relação proposta nesta sessão coordenada, provocando deslocamentos nos processos de interpelação/identificação e, por conseguinte, produzindo falhas na produção e reprodução de sentidos. Esse eixo temático acolherá trabalhos que analisam materialidades artísticas (pintura, escultura, fotografia, cinema, dança, literatura, poesia, música, etc.) e que problematizam o corpo enquanto materialidade discursiva, considerando sua diversidade e complexidade.

SESSÃO COORDENADA V EDUCAÇÃO, LÍNGUA(S), DISCURSO

COORD.: Ana Cláudia Fernandes Ferreira e Washington Silva de Farias

Esta sessão propõe refletir sobre fatos e funcionamentos discursivos relacionados à educação e à(s) língua(s), tendo como referencial teórico e analítico a Análise do Discurso de matriz pecheutiana, de forma exclusiva ou em seus diálogos possíveis com outros campos. Serão acolhidas investigações, concluídas ou em curso, que problematizem processos de produção de sentidos sobre língua(s), sujeitos, objetos, instrumentos e práticas educativas, bem como sobre a escola e as políticas de educação,  em espaços de significação institucionalizados ou não institucionalizados, a partir de variadas materialidades significantes e consideradas em sua dimensão política e pedagógica.

SESSÃO COORDENADA VI DISCURSO, MÍDIAS, TECNOLOGIA

COORD.: Gerenice Cortes e Juliana Silveira

Esta sessão coordenada objetiva discutir o funcionamento dos discursos, considerando tanto a materialidade técnica (tecnológica) quanto os processos de midiatização/normatização que o digital (re)produz, em suas condições de produção. Tomamos a língua e as tecnologias em sua opacidade, nas discursividades das redes midiáticas e sociais; buscamos investigar a produção dos sentidos sob o jogo de forças da memória e do esquecimento, nas relações com a ideologia, com os sujeitos e suas tecnologias. Serão acolhidos trabalhos que busquem compreender os modos de interpelação das mídias e tecnologias, tanto em seus efeitos de evidências “práticas”, como, ao mesmo tempo, em seus efeitos de seduções afetivas. Serão bem-vindos trabalhos que problematizem a relação entre discurso, mídia e tecnologia, trazendo reflexões sobre o digital, sobre os apagamentos, sobre as determinações históricas e ideológicas das tecnologias, na tessitura e funcionamento das tramas discursivas hoje, considerando o político e o social.